” As mulheres da Zambézia, são menos letradas”-Margarida Matos, esposa do governador

A província da Zambézia continua com a taxa mais elevada de analfabetismo de Moçambique, sendo 53.9% para homens e 71.9 % para mulheres, respectivamente. 

Autoridades de educação com parceiros de cooperação procuram novas estratégias, com vista a massificar palestras de sensibilização das comunidades com o objectivo de atrair mais pessoas à escola, sobretudo nos povoados mais distantes do interior da província da Zambézia.

Falando nesta quarta-feira (08), por ocasião do encerramento da semana de Alfabetização e Educação de Adultos (AEA), que teve lugar em Nicoadala, Margarida Matos, esposa do governador da província da Zambézia, na qualidade de patrona do Movimento de Advocacia e Sensibilização de Materiais para Alfabetização (MASMA), disse estar ciente dos altos índices de analfabetismo, sobretudo nas mulheres.

Mais ainda, a esposa do governador reconheceu os esforços de vários seguimentos que tem dado tudo nesta área, mesmo sem condições suficientes para alfabetizar, chamando à todos para se empenharem nesta componente, com um foco para as mulheres que é o grosso número sem escolaridade.

A fonte lamentou a fraca adesão e retenção dos alfabetizandos, principalmente os homens, registrando-se uma desistência massiva (sobretudo no periodo de comercialização agrícola). Essas desistências em massa são influenciadas por factores socioculturais, entre outros desafios que segundo ela, colocam em causa todos esforços do governo e parceiros internacionais, que querem ver todos adultos a saber ler e escrever.

Contudo a esposa de Pio Matos, chama atenção a vários intervenientes para consciencialização dos cidadãos sobre a importância da Alfabetização e Educação de Adultos. De referir que este ano, foram matriculados 3.643 alfabetizandos, contra cerca de 82.260 alunos em 2020. Em suma, dos mais de 5 milhões de habitantes que a Zambézia possui (de acordo com dados do censo populacional de 2017), destes 53.9% não sabem ler e nem escrever, ou seja são analfabetos.  

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*