INAS não canalizou dinheiro aos agregados

Depois do Instituto Nacional de Acção Social (INAS) delegação de Quelimane, ter garantido subsídios através de banco móvel aos agregados familiares (AF’s), que vivem nas zonas de risco neste período de pandemia da Covid-19, eis que falhou com o prometido, alegadamente porque não foram distribuídos cartões “SIM”.

Sabe-se que o INAS havia garantido que na primeira quinzena de Janeiro, começaria a pagar usando via electrónica, no sentido de evitar aglomerados nos Centros tal como acontecia no período em que se fazia o cadastramento. Só que, este dinheiro nunca mais chega e estamos já à caminho de Abril.

Nesta segunda-feira (22), quando contactamos telefonicamente o delegado da INAS em Quelimane, José Amoda para saber a quantas anda o processo de subsídios para os agregados familiares, este respondeu que ainda o processo está em curso para que todos sejam pagos. “Ainda não pagamos os subsídios porque ainda estamos no processo de distribuição de cartão SIM” – disse Amoda.

Aliás, questionamos Amoda também sobre os prazos, visto que ele próprio prometera que pagaria em Janeiro e não aconteceu, disse não saber porque não só depende da instituição que dirige, como também dos parceiros, não tendo dito quais esses parceiros. De recordar que ao    nível da província da Zambézia, serão beneficiados cerca de 125 mil agregados familiares, sobretudo os das zonas de risco, com maior impacto da COVID-19, como zonas urbanas,   periurbanas e fronteiriças, ao nível de cinco distritos da província (Cidade e distrito de Quelimane, Gurúè, Mocuba, Alto-Molócuè e Milange), priorizando assim os bairros  mais   pobres em cada zona de risco.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*