Opinião: Prioritários da vacina? Os professores também são

Com a chegada da vacina no país, oferecida pelos nossos parceiros chineses, há debate sobre quem são os prioritários.

O governo diz que a classe dos profissionais de saúde, são sem dúvida os prioritários e serão eles os primeiros a tomar a vacina que já chegou às províncias.

O debate continua e há quem defende que o plano de vacinação deve ser público para que todos passamos saber. Por falar de público, na Stv, o Dr. Avertino Barreto, epidemiologista mandou bons recados dizendo que esse debate melhor deixarem com a classe médica, nós os restantes, cada um deve discutir coisa da área dele. Hehehehe, o velho estava mesmo raivoso, até bombardeou a famosa CTA quando disse que os números de desempregados face à Covid-19 apresentados pela organização gerida por “tio” Vuma são empolados. Deu vários exemplos, mas que não preciso de buscar.

Hoje é mesmo acerca das prioridades de quem deve ser vacinado. Esta minha reflexão sucede porque o ministério de Educação e Desenvolvimento Humano, publicou o calendário do ano lectivo que dita o dia 19 de Março como o de abertura e no dia 22 do mesmo mês, portanto numa segunda-feira, as crianças voltarão a escola, isto se o Presidente da República não prorrogar e afinar mais o país.

É por causa do ano lectivo que quero deixar as minhas sugestões e todos olharmos se neste período em que se discute a toma da vacina se também os professores e outros profissionais de educação não são também prioritários.

Sabemos que os meninos andam com vontade de voltar às aulas e certamente os beijinhos e abraços não faltarão. Os professores não serão capazes de controlar cada aluno. Até porque, cada um vem da sua casa, mesmo com máscara ou álcool em gel, muitas vezes apanhamos coronavírus sem saber como.

Os professores não devem ser apenas instrumentos da política, chegou a hora também de os valorizar. Eles também são heróis porque nos fizeram homens que somos hoje, então porquê não podem estar na lista dos prioritários da vacina? Atenção ao que digo, acreditando que não é obrigatório até então tomar essa vacina, então se for decidido que as aulas retomam, certamente há professores que vão negar a vacina. Se calhar devemos respeitar, mas temos de monitora-los, submetendo-os a testes de forma frequente. Enfim, já que o Dr. Barreto se zanga quando os outros discutem cenas da vacina, desculpa, mas “Não Falei Nada”.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*