Fiscalização rodoviária em tempos da Covid assunto sério

Nesta lauda de hoje vou me dedicar a uma “passeata” em torno dos transportes públicos vs Covid-19 nesta parcela do país.

Por estes dias, claro depois de ouvir várias “bocas” dos meus amigos e admiradores reclamando em torno da minha barriguinha que eles dizem estar a sair.

Ok, pegando na velha máxima de que “quem avisa, amigo é” decidi fazer alguma coisa para gerir este assunto.

E esta tal “alguma coisa” tem sido caminhar usando meios ao meu dispor. Nisto, quando me faço a rua pela manhã cedo, deparo-me com situações preocupantes de transportes públicos, sobretudo olhando pelo nível de enchentes neste período em que a mensagem é o distanciamento social e uso de máscaras, etc.

Por isso, aceitem que comece assim:

Senhora directora dos Transportes e Comunicações;

Senhor Comandante da PRM(Att Chefe do Dpto da PT);

Senhor Presidente do Concelho Autárquico de Quelimane(Att. Vereador dos Transportes e Polícia Municipal, Chefe das Operações da Polícia Municipal);

Senhor delegado do INATTER,

Senhor presidente da Associação dos Transportadores,

Caros irmãos e irmãs,

Minhas senhoras e meus senhores!

Todo protocolo observado…

Aproveito esta ocasião para  pedir a vossa indulgência(parafraseando a SEXA Verónica Macamo, ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação), para vos convidar a este desafio que se chama gestão de transportes públicos em tempos de Covid.

Prezados, usando este canal de comunicação, gostaria de vos convidar num destes dias(antes que seja tarde) para que juntos(querendo) façam uma monitoria pela manhã, portanto, vossas excelências deixarem a cama e irem ver com vossos olhos o que se passa na estrada.

Excelências, minhas senhoras e meus senhores, a fiscalização rodoviária na estrada Quelimane-Nicoadala ou Quelimane-Zalala tem sido deficitária, isto é do ponto de vista de prevenção à Covid-19. 

Por exemplo, os famosos “my loves”, mesmo os mini-bus de quinze lugares não respeitam lotação e muitas vezes, a polícia que fica ali no Tecani(saída da cidade para Nicoadala), só se preocupa em saber se tem licença que autoriza o chapeiro a exercer a actividade ou por vezes seguro e inspeção da viatura. Do outro lado(Quelimane-Zalala) excelências, não tenho visto nenhuma brigada da polícia pela manhã cedo. Vejo sim, os nossos filhos, irmãos, primos e espos@s vestidos de azul ali na próximo a casa do nosso amigo Elias Maurício. De resto, vocês sabem o que se pede na estrada. 

Minhas senhoras e meus senhores! Neste momento em que os números da pandemia tendem a subir, não se pode dar essa responsabilidade apenas ao sector da saúde. Cada um de vocês mencionados aqui e mais outros, tem essa responsabilidade de agir em conformidade com o decreto do Estado de Calamidade Pública em vigor no país por um período indeterminado.

Antes mesmo de terminar, apelo à vossa união para que tenhamos um bom ambiente rodoviário e também saudável. Para o bem do país e da província…Mais não disse(substituição do fecho habitual…Não Falei Nada).

Quelimane, a data e o ano que fores a leres esta epistola.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*